Contos fantásticos – Guy de Maupassant

“Contos fantásticos de Maupassant” foi com certeza um dos marcos da literatura fantástica e até, se posso dizer, com um certo namoro com a ficção científica. Seus personagens não abusam do sobrenatural, pelo contrário, a aproximação destes com o real, o comum, é o que dá uma dimensão única a cada um deles.

O conto que mais me impressionou foi “A Mãe dos monstros” – não há um sobrenatural neste texto, e sim um natural assustador, perverso, desconfortante. O monstro na verdade não é a pária, é o ventre que deveria sustenta-lo.

Devemos ler o livro com o pensamento de que foi escrito no século XIX, algumas noções de ciência ainda beiravam uma certa ingenuidade, o que não quer dizer que não haja genialidade naquelas linhas.

“O homem de marte”, por exemplo, nutre questões que nos acompanharam por uma boa parte do século XX – Os canais de marte teriam sido construídos por mentes inteligentes? – Hoje sabemos que não, sondas foram enviadas para lá, a ciência se responsabilizou por retirar esta aura de mistério do planeta vermelho.

Já o Horla, considerada sua obra prima, é simplesmente fantástico. Nossos olhos não podem ver o universo em sua totalidade, com essa ideia, um mundo pode existir ao nosso redor sem que possamos ter consciência de sua existência.

Sabemos, novamente através da ciência, que existem sim mundos, universos inteiros existindo à revelia do homem. A física quântica, a microbiologia, a cosmologia, são inúmeras ciências que provam a existência de outras naturezas que não a nossa vida cotidiana de arroz – feijão e trabalho.

Este é um livro que se não tiver cuidado você o lerá em poucas horas, e vai fechar a última página querendo mais. É como o sorvete derretido no fundo da tigela, que você segura o quanto dá, tentando prolongar aquela sensação o máximo possível.

Guy de Maupassant

Guy de Maupassant foi um escritor e poeta francês, nasceu no dia 5 de agosto de 1850 em Tourville-sur-Arques, Alta Normandia.

Foi amigo de Flaubert, a quem considerava um mestre. Deixou mais de 300 contos, todos fantásticos.  Os mais famosos foram: “Mademoiselle Fifi e Bola de sebo”, “A pensão Tellier” e “O Horla”, este último considerado sua melhor obra.

Maupassant produziu, além de contos, romances e peças de teatro. Teve uma vida luxuosa e regada a álcool e prazeres artificiais que alimentaram uma produção literária incrível – 27 livros em dez anos!

Este verdadeiro curto circuito criativo de insanidade, textos, reflexões e artifícios químicos (bebidas entre outras coisas) cobrou seu preço.

Nos últimos anos de vida foi vítima de constantes alucinações, várias vezes tentou o suicídio.  E em 6 de julho de 1893, morreu no manicômio de Passy na França.

E assim se fez a história de Maupassant, escritor e louco. Com se um existisse se o carinho do outro.

Abaixo há um link para a compra do livro, não consegui um texto traduzido para baixar. Mas, contudo, não obstante, porém; aqui está um link para quem quiser se aventurar em textos em inglês de  Maupassant:

Siga nas letras… (vulgo clique aqui).

Boa leitura!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *