Octávio Paz

O mexicano Octavio Paz, um dos grandes poetas hispânicos de todos os tempos, laureado com o Nobel de Literatura em 1990, disse certa vez que “os poetas não têm biografia. A sua obra é a sua biografia”. Se isso é verdade (e quem irá desmenti-lo?), pode-se dizer que a biografia de Octavio Paz foi escrita em mais de 20 volumes de poesias e ensaios sobre literatura, arte, cultura e política. Toda essa reconhecida carreira começou com o livro Luna Silvestre (1933). (Kb)

Alguns versos do poeta dão a medida de sua grandeza:

Destino do poeta
Palavras? Sim. De ar
e perdidas no ar.
Deixa que eu me perca entre palavras,
deixa que eu seja o ar entre esses lábios,
um sopro erramundo sem contornos,
breve aroma que no ar se desvanece.
Também a luz em si mesma se perde.
(Tradução de Haroldo de Campos)

Irmandade
Sou homem: duro pouco
e é enorme a noite.
Mas olho para cima:
as estrelas escrevem.
Sem entender compreendo:
Também sou escritura
e neste mesmo instante
alguém me soletra.
(Tradução de Antônio Moura)

Publicações

Poesia

  • Libertad bajo palabra (1958)
  • Salamandra (1962)
  • Ladera Este (1969)
  • Vuelta (1976) 
  • Árbol Adentro (1987)

Ensaios

  • El laberinto de la soledad (1950)
  • El Arco y la Lira (1956)
  • Las peras del olmo 1957
  • Cuadrivio 1965
  • Puertas al Campo (1966)
  • Corriente Alterna (1967)
  • Claude Levi-Strauss o el nuevo festín de Esopo (1967)
  • Marcel Duchamp o el castillo de la Pureza (1968), com reedição ampliada Apariencia desnuda (1973)
  • Conjunciones y Disyunciones (1969)
  • Postdata, continuação de “El Laberinto de la Soledad” (1969)
  • El signo y el Garabato (1973)
  • Los Hijos del Limo (1974)
  • El Ogro Filantrópico (1979)
  • In-mediaciones (1979)
  • Sor Juana Ines de la Cruz o las trampas de la fe (1982)
  • Tiempo Nublado (1983)
  • Sombras de Obras (1983)
  • Hombres en su Siglo (1984)
  • Pequeña Crónica de Grandes Días (1990)
  • La Otra Voz (1990)
  • Convergencias (1991)
  • Al Paso (1992)
  • La Llama Doble (1993)
  • Itinerario (1994)
  • Vislumbres de la India (1995)

 Traduções

  • Versiones y diversiones, onde Paz reuniu as suas traduções poéticas.
  • Sendas de Oku, de Matsuo Basho (1957)
  • Antologia, de Fernando Pessoa (1984)
  • Blanco, dele, traduzido por Augusto de Campos e musicado por Marisa Monte para álbum Barulhinho Bom – Uma Viagem Musical.

Olá, você pode baixar os seus livros normalmente, basta deixar os seus dados aqui. Gostaria de saber um pouco mais sobre você, os seus gostos, seus ódios e assim poder oferecer mais conteúdo que te agrade.

Se já for cadastrado, é só se logar.

Este cadastro é feito uma única vez, quando você voltar basta se logar e todos os livros estarão disponíveis.

Depois de se registrar, você poderá editar os seus dados na página 'Meu canto'.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *