Cegueira

Abro e fecho minha mão em frente aos meus olhos abertos. A escuridão não impede minha memória de ver os dedos abrindo e fechando, abrindo e fechando.

– Sei que você está aberta, aberta com a palma voltada para mim. Te vejo fechando cheia de dedos, é a minha mão. Minha cabeça não tem olho, mas assim mesmo te vejo minha mão. Minha mão.

– O que é isso que escuto lá longe? É um passarinho? É, é um passarinho. Ele está atrás de mim. A cegueira não tapou meus olhos na nuca. Não, não tapou. O pássaro é azul porque eu o vejo. Eu lembro do azul, do verde.

Levanto para gritar, meus pés batem nos móveis da sala.

– Cegueira, sua vaca, não me tirou as cores. NUNCA VAI TIRAR.

A cegueira não manda no meu nariz. Ele me traz cheiros que me traz memorias, que me traz olhos. Maldita cegueira, isto não te pertence. A minha cabeça não te pertence.

Minha mulher é linda. Será sempre bonita. A maldita cegueira pensa que me tirou os olhos, só removeu a velhice de minha amada, nos meus olhos ela será sempre jovem.

– Não você não me venceu, vaca maldita. Subi em seu pescoço e roubei sua alma.

Chuto os móveis, a cômoda. Jogo tudo longe.

– Vaca, grite seu som silencioso, de ladra vadia. Rouba a luz, mas não rouba meus guardados. Tudo o que eu já vi está do lado de cá de minha cabeça, longe das tuas mãos sem luz. Vem vadia, vem!

Sento no chão, está sujo de minhas urinas.

– Este peito que tu bate já não te teme. Vai roubar o quê? Levou o que podia, agora meu mundo negro é minha tela de pintura. Coloco nela o que eu quiser e você nunca vai saber o que está lá. É só meu. Pulei no teu pescoço, por esta você não esperava. Mordi tua nuca e me encaixei em tuas costas. Tapei seus olhos, como tapou os meus. Espero que não tenha memórias, que não tenha lembranças de cores, afinal o que é você cegueira? Um vazio, um nada a viver a perda dos outros.

Minha mulher entra no quarto. Escuto sua respiração. Ela chora. Abraço seu corpo e me agarro na sua saia. Juntos deixamos a sala. O sol bate no meu rosto. De olho aberto, deixo ele queimar a minha cara. Não sinto calor, as lágrima não deixa.

Olá, você pode baixar os seus livros normalmente, basta deixar os seus dados aqui. Gostaria de saber um pouco mais sobre você, os seus gostos, seus ódios e assim poder oferecer mais conteúdo que te agrade.

Se já for cadastrado, é só se logar.

Este cadastro é feito uma única vez, quando você voltar basta se logar e todos os livros estarão disponíveis.

Depois de se registrar, você poderá editar os seus dados na página 'Meu canto'.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *