Sem fósforos

A manhã chegou chuvosa. O teto de papel que me cobria se juntou ao chão de terra.

Fui acordado antes que o dia ficasse claro. Pessoas passam e batem o pé no chão, levantando água. Não que faça diferença, já estou molhado.

Me encolho buscando algum calor. As pessoas que batem os pés no chão e levantam água, tem para onde ir.

Eu só me encolho. Invisível sou visto apenas pela chuva. Pelo frio.

O frio me chama uma tosse. A tosse não para. Depois chama uma dor, que vem junto e fica.

Já é difícil me encolher. Não tem mais espaço. O meu corpo já deu. Não se fecha mais do que isso.

Forço, encolho a barriga, um pé, outro. Puxo com a mão. O frio vem junto.

Os pés ainda batem. Ninguém me vê.

Estou tremendo, faz tempo.

Estou sozinho, faz tempo.

O dia nem começou.

E eu terminei.

Uma voz me chama.

– Oi meu bem.

Minha mãe que vem.

Faz tempo que eu não via minha mãe.

Vou com ela. Deixando um encolhido.

Que já não sente mais frio.

E os pés ainda batem no chão.

 

*Miniconto baseado na menina dos fósforos de Hans Christian Andersen

Olá, você pode baixar os seus livros normalmente, basta deixar os seus dados aqui. Gostaria de saber um pouco mais sobre você, os seus gostos, seus ódios e assim poder oferecer mais conteúdo que te agrade.

Se já for cadastrado, é só se logar.

Este cadastro é feito uma única vez, quando você voltar basta se logar e todos os livros estarão disponíveis.

Depois de se registrar, você poderá editar os seus dados na página 'Meu canto'.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *