As Meninas – Lygia Fagundes Telles

Por questões de calendário, o anúncio do Prêmio Nobel de Literatura 2016 será anunciado no dia 13 de outubro, depois do feriado.

Entre os indicados está a “nossa” Lygia Fagundes Telles. A indicação feita pela União Brasileira de Escritores elegeu a escritora por unanimidade.

Ela foi indicada pelo conjunto da sua obra. Vamos ficar na torcida, caso ela ganhe será o primeiro Nobel brasileiro da história, e o prêmio fica ainda mais significativo por ser uma mulher.

A competição será acirrada, e qualquer prognóstico é incerto. O favorito é o japonês Haruki Murakami, entre os candidatos estão: Salman Rushdie, Mia Couto, Amos Oz e Milan Kundera. A briga é literalmente de cachorro grande.

Mas como a esperança é a última que morre, vamos cruzar os dedos e torcer. Se há alguém que mereça este Nobel, é a Lygia Fagundes Telles.

 

As meninas

Para mandar boas energias, e homenagear a Lygia, selecionamos o livro “As meninas” de 1973, que rendeu a ela o prêmio Jabuti.

O romance fala de três jovens: Ana Clara, Lia e Lorena, que vivem em um pensionato de freiras em São Paulo. A história acontece durante a ditadura brasileira.

A história é contada em primeira pessoa. O foco narrativo muda constantemente entre as meninas. Desta forma Lygia consegue mostrar as diferenças e sonhos de cada uma delas. É como se histórias diferentes fossem vividas ao mesmo tempo.

Fica um pouco difícil no início se localizar nesta “dança de personagens,” mas conforme a leitura vai se desenvolvendo o texto fica mais fluido.

Lorena é a culta. Filha de burgueses é a sonhadora. Possui passado trágico, após a morte de seu irmão seu pai foi para um sanatório. Ela se apaixona por um homem casado.

Ana Clara é uma modelo, divide-se entre o noivo rico e um amante traficante. ua mãe era prostituta e quando menina foi abusada sexualmente.

Lia, baiana filha de pai alemão, vai para São Paulo estudar Ciências Sociais. Seu pai é um ex-militar nazista. Durante seu curso se envolve com a militância política contra a ditadura. Seu amorado é preso.

Cada uma destas personagens seria sozinha um bom tema para um livro. Lygia conseguiu reunir todos estes personagens no pano de funda da ditadura, e de uma forma inteligente expôs a barbárie que foram estes anos negros da nossa história.

No livro ela teve, em plena repressão, a coragem de descrever uma sessão de tortura. Lygia Fagundes Telles não cutucou só a onça com vara curta, ela entrou no meio de centenas e chutou a bunda de cada uma delas.

O livro foi um dos mais aplaudidos pela crítica e também um dos mais populares da escritora.

Com esta obra vamos ficar aqui, esperando e torcendo para que este primeiro Nobel vá para as mãos de uma escritora tão profunda, desafiadora e espetacular.

Que a menina nos traga este prêmio único para os brasileiros. Competência não falta.

Olá, você pode baixar os seus livros normalmente, basta deixar os seus dados aqui. Gostaria de saber um pouco mais sobre você, os seus gostos, seus ódios e assim poder oferecer mais conteúdo que te agrade.

Se já for cadastrado, é só se logar.

Este cadastro é feito uma única vez, quando você voltar basta se logar e todos os livros estarão disponíveis.

Depois de se registrar, você poderá editar os seus dados na página 'Meu canto'.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *