Feliz Ano Novo – Rubem Fonseca

Antes que baixe este livro, é preciso saber: “Feliz Ano Novo” de Rubem Fonseca não é um livro otimista, daqueles que se espera ler na virada do ano.

Aqueles livros com mensagens doces e de esperança.

Publicado e 1975, o livro reúne contos que retratam a realidade nua e crua da sociedade brasileira. Lançado em pleno regime militar, a obra foi censurada, como tantas outras, não por trazer conteúdo subversivo (termo comum à época), mas por ser violento, por trazer palavrões e por colocar no mesmo tacho, ricos e pobres, todos loucos e consumido por desejos fúteis.

O primeiro conto, que dá o nome ao livro, fala de dois ladrões que decidem assaltam a casa de um “bacana” em pelo réveillon. Conseguem, e como diriam hoje em dia, tocam o terro.

No segundo conto, “Passeio Noturno”, um pai de família chega em casa depois de um dia de trabalho e decide sair para passear, enquanto aguarda o jantar. Neste passeio atropela e mata uma moça. Volta para casa mais calmo como se nada tivesse acontecido. Sente até uma euforia com o ocorrido.

Em “O Pedido”, Amadeu, um português viúvo e já adoentado, resolve pedir dinheiro emprestado a seu amigo Joaquim, dono de um depósito. Joaquim, com quem não falava há anos acha o pedido um abuso.

Joaquim pergunta sobre o filho de Amadeu, ele carrega uma inveja pelo fato do filho de seu amigo ser uma pessoa bem-sucedida enquanto o seu filho é um vagabundo.

Amadeu diz que seu filho morreu e ele não tem mais a quem pedir tal favor, comovido Joaquim cede.

Agradecido Amadeu tenta ser agradável, e pergunta como vai o filho de Joaquim. Este toma a pergunta como um insulto, pois ele sabia que seu filho era um vagabundo. Amadeu, triste, se levanta e vai embora, com dificuldades. Joaquim, envergonhado e com lágrimas escorrendo pelos olhos, corre para alcançar Amadeu, mas este já havia ido embora.

Os contos são narrados em primeira pessoa, o que dá a cada conto um ritmo diferente. No entanto todos são cruéis.

Realidade nua e crua

Por trás destas histórias, Rubem Fonseca faz uma crítica à sociedade, que valoriza o consumismo e o individualismo.

Foi publicado em 1975, mas poderia muito bem se adequar aos dias de hoje.

Personagens que são limítrofes e opostos montam uma sociedade doente.

Uma reflexão para os anos que seguem: até quando o fútil e o supérfluo vão ter espaço em destaque em nossas vidas.

É uma leitura pesada para o réveillon, mas 2017 está apenas começando.

Feliz Ano Novo.

Olá, você pode baixar os seus livros normalmente, basta deixar os seus dados aqui. Gostaria de saber um pouco mais sobre você, os seus gostos, seus ódios e assim poder oferecer mais conteúdo que te agrade.

Se já for cadastrado, é só se logar.

Este cadastro é feito uma única vez, quando você voltar basta se logar e todos os livros estarão disponíveis.

Depois de se registrar, você poderá editar os seus dados na página 'Meu canto'.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *